29 de julho de 2006

O Rei Dário inventou o suco?


Minha esposa odeia quando eu vou ao mercado. Diz que eu trago coisas erradas... A última vez foi assim: saí de casa em busca de laranja lima para o Francesco. Dizem que é o suco mais apropriado para bebês. Fui e comprei logo (não fico passeando pelo mercado). Estava um pouco murcha, mas, como qualquer pessoa normal, selecionei as melhores. Cheguei em casa feliz pela missão cumprida e ciente de que não havia feito nada de errado.

Alguns minutos depois, minha esposa se aproximou com um suquinho para eu tomar: "Nossa, que amor! Pensei que era só para o Francesco!"
Estava um pouco amargo, mas tomei tudo...

"Você não trouxe laranja lima. Isso é lima da Pérsia! Você pensou que era laranja lima importada? A Pérsia nem existe mais!!!"

Coisas de historiador...

24 de julho de 2006

Garoto Gorfadinha em: Balada Medieval

Garoto Gorfadinha – Eu fui convidado para uma cerimônia do século XII. Estou a caminho da Bretanha, local da festa. Parece que é um acordo entre gente importante; uns tais de senhores feudais. Vai ser coisa rápida... Bom mesmo é a balada que vai acontecer depois... Como são pessoas da alta sociedade, é claro que haverá uma super festa para comemorar o acordo!!!
Estou atrasado! A cerimônia começou!

Cerimoniário – Meu senhor Duque Henrique de Canterbury anuncio-te a chegada do nobre Conde Jaime de Oxford.

Duque Henrique de Canterbury – Aproxime-se

Garoto Gorfadinha – O Conde Jaime se ajoelha na frente do Henrique e coloca suas mãos unidas entre as mãos do duque.

Conde Jaime de Oxford – Meu senhor Duque Henrique de Canterbury, eu me torno vosso homem.

Garoto Gorfadinha – Agora um padre entra trazendo uma bíblia; ele está do lado do Jaime. Jaime se levanta, coloca sua mão direita sobre o Evangelho... Ah! Está prestando um juramento.

Conde Jaime de Oxford – Na medida que eu saiba e possa fazê-lo com a ajuda do Senhor. Sem malícia nem engano, o servirei fielmente, para o conselho e ajuda, segundo minha função e segundo minha pessoa, afim de que, esse poder que Deus lhe outorgou, possa retê-lo e exercitá-lo de acordo com vossa vontade, assim como para a vossa defesa e de vossos fiéis.

Garoto Gorfadinha – Poxa, o Jaime gosta mesmo do Henrique... Devem ser muito amigos... Nossa! que esquisito! O Duque Henrique de Canterbury acabou de entregar ao Conde Jaime de Oxford uma bandeja com terra... O que ele vai fazer com isso? Espera aí... Os dois estão se beijando! Na boca !!!

Veja também:
Garoto Gorfadinha em: Morte aos ratos!
Garoto Gorfadinha em: Encontrei Papai Noel

23 de julho de 2006

O Contrato Vassálico


O Garoto Gorfadinha assistiu a uma cerimônia de Contrato Vassálico. Tratava-se de um acordo entre dois senhores feudais que legitimava as relações de um para com o outro e criava um vínculo de dependência mútua. O senhor feudal concedia algum benefício ao vassalo e este lhe prestava um serviço. Este era o grande objetivo desse acordo: O vassalo (Conde Jaime de Oxford) prestava ajuda militar ao suserano (Duque Henrique de Canterbury) tornando-se seu conselheiro. Já o suserano dava proteção e sustento ao vassalo, isto é, lhe concedia um feudo. Esta cerimônia era cheia de significados e se dividia em duas partes: a Homenagem e a Fé.

Homenagem vem do latim hominium que significa tornar-se homem de alguém. Na Homenagem, o vassalo se ajoelhava na frente do senhor e executava a immixtio mannum. Nesse momento, o vassalo declarava livremente a sua vontade de prestar a Homenagem, ou seja, de se tornar um homem a serviço do suserano.

A Fé consistia num juramento de fidelidade ao senhor. Esse juramento era muito sério, pois era feito diante da Palavra de Deus. Depois o senhor entregava um símbolo do benefício (feudo) concedido ao vassalo. Por isso, o Duque Henrique de Canterbury entregou uma bandeja com um pouco de terra que representava o território concedido ao Conde Jaime de Oxford
O beijo na boca não tem nada a ver com os que a gente vê nas novelas ou filmes. Eles apenas encostavam levemente os lábios em sinal de amizade e confiança.

Veja também:
As obrigações do suserano
As obrigações do vassalo

22 de julho de 2006

As tricoteiras dominarão o mundo!!!

Eu costumo dizer a minha esposa que ela e as suas amigas tricoteiras da internet dominarão o mundo... São tantos blogs e elas são tão unidas que esta proeza será fácil. Talvez, o mundo fique melhor e mais colorido quando isso acontecer.

Minha esposa, que visita todos os 2461 blogs para saber as novidades e as novas receitas das amigas, me mostrou um blog que conta a História do Tricôt!!! É muito bom, com várias imagens. Eu o indiquei aqui do lado... Dê uma olhada!

16 de julho de 2006

Pedro e seu burrinho

Pedro, o eremita, foi o mais famoso pregador popular das Cruzadas. Ele era respeitado tanto pelos nobres como pelos camponeses, sendo considerado um homem de Deus.

Magro, de baixa estatura e roupas simples, Pedro com seu burrinho (dizem que era difícil saber qual era Pedro e qual era o burro), percorria os vilarejos pregando o arrependimento dos pecados, a prática de boas obras e a partida dos cristãos para Jerusalém. Em todo lugar que ele passava, multidões se reunião ao seu redor para ouvi-lo. Sua simplicidade e eloqüência comoviam a todos. Muitos deixavam tudo para traz e o seguiam em direção a Terra Santa.

A Cruzada popular chegou em Constantinopla antes dos exércitos dos barões. Diante da falta de alimentos e de muitas dificuldades, Pedro perdia a sua autoridade frente à multidão. Conseqüência: muitos peregrinos praticavam saques na cidade.
O forte desejo de chegar logo a Jerusalém fez com que os cruzados de Pedro se precipitassem em suas ações. Ao invés de permanecerem em Constantinopla esperando os barões, eles partiram para Nicéia, embora não estivessem devidamente preparados. O sultão Kilidj Arslan conseguiu derrotá-los com facilidade. Dos 40 mil homens de Pedro, sobraram apenas 2 mil peregrinos. Assim acabou a cruzada popular de Pedro.

Veja também:
As mulheres gostam de contar as coisas

12 de julho de 2006

Dolly: Alguém se lembra dela?


A Dolly morreu, mas o guaraná ainda permanece, embora seu nome não represente uma imagem tão positiva assim...

A ovelhinha faria 10 anos nesse mês. O primeiro mamífero clonado do planeta morreu cedo e cheio de problemas. A clonagem da Dolly deu início a uma grande polêmica sobre os reais benefícios e perigos dessa técnica de gerar um novo ser vivo extraindo o DNA de uma célula adulta e inserindo-o num óvulo. Além dos problemas éticos envolvidos nesta questão, como a clonagem humana, verificou-se uma certa ineficiência no procedimento.

A polêmica foi até tema de novela. A ineficiência ficou evidenciada pela grande quantidade de óvulos utilizados para chegar ao resultado esperado. Além disso, Dolly nasceu velha... possuía artrite e morreu de infecção pulmonar, vivendo a metade de anos de uma ovelha normal.

Mas, o mais impressionante nessa história é que a morte da Dolly passou quase despercebida. Alguém se lembra por quê? Duvido...

O IMPÉRIO CONTRA ATACA!!!
Dolly morreu em fevereiro de 2003, quando as atenções do mundo estavam voltadas ao início das operações dos Estados Unidos no Iraque. A Dolly foi notícia minúscula de pé de página...

Enquanto o senhor Bush procurava convencer o planeta terra de que o Saddam representava uma ameaça à paz mundial com as suas “armas de destruição em massa” (invadiram o Iraque e não encontraram nem bombinha de São João), a clonagem fracassou e ninguém deu bola...

O que será dos filhinhos do Boi Bandido???
O Bush fará outra guerra quando os boizinhos estiverem usando bengalas?

9 de julho de 2006

As mulheres gostam de contar as coisas...


Sabe quem contou primeiro a história das Cruzadas?
Foi uma mulher!!!
Ana Comnena é considerada a primeira historiadora da Primeira Cruzada. Ela era uma bela princesa filha do imperador bizantino Aleixo. Sendo de origem nobre, Ana Comnena recebeu uma invejável educação. Leu Homero, Platão, Aristóteles, estudou matemática, teologia e medicina, coisa muito rara para uma mulher naquela época. O relato da princesa revela que a Cruzada não se tratava de um exército marchando com homens inteiramente armados liderados por um comandante. Ao contrário, a princesa caracteriza a Cruzada como uma gigantesca multidão composta de homens, mulheres e crianças. Segundo a historiadora Régine Pernoud, graças à sua história, é possível entender a Cruzada como uma grande peregrinação armada e não somente como uma guerra convencional. Um fato curioso: a jovem donzela ficou apaixonada por um dos guerreiros cruzados. Vejam o que Ana Comnena escreveu nos seus relatos sobre o normando Buemundo de Tarento:
"Esse homem, a tal ponto superior, só capitulava diante de meu pai com relação à fortuna, à eloqüência e outros dons da natureza. Jamais se viu anteriormente na terra dos bizantinos, homem semelhante a este, bárbaro ou grego, pois a visão dele gerava a admiração e sua fama, o temor... Era tão alto que ultrapassava em quase um côvado os maiores, era esbelto sem opulência, com os ombros largos, o peito desenvolvido, os braços vigorosos. Sua pessoa, no conjunto não era nem mirrada, nem corpulenta, mas de acordo, por assim dizer, com os cânones de Policleto; suas mãos eram fortes e estava solidamente plantado em seus pés, o pescoço e os ombros robustos”.
Somente uma donzela apaixonada faria uma descrição tão perfeita, não é mesmo?

Veja também:
Como começou a Primeira Cruzada
Estamos sendo invadidos!

8 de julho de 2006

Comentário inútil


Uma das coisas que eu não consigo ver nenhuma utilidade é o tal do comentarista de arbitragem. Ele olha o replay e, só então, diz se foi falta ou se “o jogador se jogou”... Diz se o juiz errou ou acertou (depois da imagem, é claro)... e ainda, “repare que no momento do passe o jogador estava um pouco à frente do zagueiro, portanto impedido, errou o juiz!” Ele só comenta o que todo mundo vê na repetição...

Escreva aqui alguma outra coisa inútil presente nesse mundão!!!

7 de julho de 2006

Mande sua mensagem de texto para...


Foi o tempo em que as promoções da TV eram feitas por meio de correspondências. Milhares de cartas eram enviadas, uma montanha de papel. Forma econômica para quem as enviava. Uma dor de cabeça para quem as recebia. Também havia as revistinhas compradas em bancas com cupons e tal.

Agora, em nosso belo mundo moderno e tecnológico, basta uma mensagem de texto para... Penso que o celular daria tema de trabalho sociológico. Quantos hábitos ele mudou... Mas o que eu quero dizer mesmo é que, por causa desse aparelhinho, qualquer campanha promocional fatura muito, mas muito mais que antigamente... Hum... isso me deu uma idéia!

PARTICIPE DA MAIOR PROMOÇÃO DE TODOS OS TEMPOS!!!

Mande mensagem de texto para 6666-666-6666 e responda a pergunta:

QUAL A IDENTIDADE SECRETA DO GAROTO GORFADINHA?

Custo da ligação: R$ 9,90 + impostos

Putz! Precisa de um prêmio...

????????

Ah!!! Concorra a um Kit SELEÇÃO BRASILEIRA!!!
Uma camisa do Ronaldinho gaúcho!!! (o melhor do mundo).
Um par de meias do Roberto Carlos (aquelas do jogo contra a França).
Um pôster do Parreira (que não estava preparado para perder).

Não... não. Prêmio ruim não dá.

Veja também:
Quem é o Garoto Gorfadinha?

4 de julho de 2006

Por que somos tão bons no futebol

O jogador francês Thierry Henry, que marcou o gol mandando o Brasil para a casa disse: "Quando eu era pequeno, ia à escola das 8h às 17h, e minha mãe não me deixava descer para jogar. Eles [os brasileiros] jogam das 8h às 18h!" Certamente, aí está a razão do por que somos tão bons no futebol.

Aí um aluno me disse hoje: "É, eles [os franceses] sabem ler, mas nós somos PENTA!"

Em pesquisa publicada na Folha, os alunos de 8a série do Brasil estão no mesmo nível que os alunos de 4a série dos países ricos, como a França. Pois é, somos penta; mas os alunos do Ensino Médio não sabem escrever HEXA...

2 de julho de 2006

As obrigações do suserano

Podemos dizer que há um certo paralelismo entre as obrigações do senhor com as obrigações do vassalo. Ele também deveria ser fiel e ajudar o vassalo. Assim, o suserano não poderia prejudicar em nada ao seu homem. Quando necessário, também dava ajuda militar ao vassalo, conselho e sustento, que seria a concessão de um feudo (benefício). Esse feudo geralmente era uma parte das terras do senhor, mas poderia ser outra forma de sustento como direto de cobrança de pedágios, impostos ou tributos etc. Um bom senhor era generoso com seus vassalos. Um suserano poderia ser vassalo de outro senhor feudal. Da mesma forma, um vassalo também poderia ser suserano de outra pessoa.

1 de julho de 2006

Allez Zidane: França 1 x 0 $#&%=<

E timinho!!! Aproveite e desabafe um pouco!!! Diga o que você pensa da nossa sensacional seleção de craques-estrelas da Copa...

Viva Portugal!!! Viva Felipão!!!