30 de outubro de 2012

Vikings: os dragões ferozes


Invasão ou expansão? Depende de que lado você está. Bom, na verdade as coisas não são tão simples...
O fato é que os Vikings deixaram muita gente em pânico. Eles eram descritos como dragões ferozes que vinham pela névoa!
Vik significa baía. Ou seja, eles eram aqueles que navegavam de baía a baía. Eles também eram conhecidos como normandos. Nordmanni significa "homens do norte". No final do século VIII, todos os anos eles faziam incursões pelos rios da Irlanda e de Inglaterra, pilhando igrejas e mosteiros. Depois, eles se estenderam para outros lugares da Europa com a mesma estratégia, que apesar de conhecida era infalível. Vinham em silêncio com seus rápidos navios chamados knorr. Como não havia barulho de deslocamento de tropas ou de cavalos, eles pegavam todos de surpresa e faziam a festa.
Mas por que esses guerreiros partiram da Escandinávia em direção ao sul da Europa?


Alguns dizem que o crescimento populacional gerou a necessidade desta empreitada. Outros dizem que houve uma centralização maior de poder na Escandinavia o que levou guerreiros a partirem para dominar outras regiões, uma busca de reputação e ascensão social. Mas o que importa mesmo é que eles não eram somente saqueadores. Na verdade, os Vikings participaram do comércio europeu, que foi estimulado em parte por uma outra expansão vinda da Arábia. Os muçulmanos com uma velocidade notável alcançaram a Pérsia, o Império Bizantino, a Ásia Central e o norte da África. Eles até entraram na Europa pela Península Ibérica e só foram barrados por Carlos Martel em 732 na Batalha de Poitiers. Esta expansão permitiu aos árabes grandes quantidades de prata e de ouro. Eles podiam comprar de tudo... É ai que entram os Vikings. Eles forneciam mercadorias, peles, armas, madeiras e escravos. Esse comércio estimulou os Vikings a navegarem pela costa e entrarem na Europa através de rios como o Danúbio, Reno, Volga, Loire... Assim, não demorou muito para os "homens do norte" marcarem sua presença na França (no norte, a Normandia), no Império Bizantino, na Rússia e há quem diga, até na América!
O Homem do Livro é um Viking disfarçado.

2 de outubro de 2012

A decadência moral da Igreja no século X

O século X é conhecido com um período de forte crise no interior da Igreja. Parte dessa crise teve sua origem ainda no século IX. As invasões normandas e húngaras deixaram várias igrejas e mosteiros em ruínas o que contribuiu para uma onda de pessimismo e de desorientação em parte do clero. Nos anos subsequentes, se intensificou o processo de feudalização no interior da Igreja. Bispos se tornam vassalos de nobres e lhes prestam Homenagem. Além disso, bispados e mosteiros passam a pertencer a Senhores Feudais. Assim, um dos fatores cruciais para compreender a decadência moral da Igreja no século X é a interferência do poder secular na Igreja e mais precisamente, no trono papal. Neste período o papado  ficou subordinado às famílias aristocráticas romanas e se transformou em uma instância de poder disputada entre elas. O assassinato era comum para eliminar os concorrentes ao trono pontifício.

Como não se bastasse, intensificam-se duas práticas no interior da Igreja: a simonia e o nicolaísmo. A simonia consistia no comércio das coisas sagradas como sacramentos, relíquias e funções consagradas. A origem do termo encontra-se nos Atos dos Apóstolos, onde o mago Simão tenta comprar de Pedro o poder da transmissão do Espírito Santo pela imposição das mãos. Já o nicolaísmo consistia na desordem dos costumes, isto é, clérigos viviam como um leigos, portavam armas e desrespeitavam o celibato. Ao que tudo indica, o termo é similar aos nicolaítas, seita citada por João no livro do Apocalipse.

Este parecia ser um quadro catastrófico, irremediável. No entanto, o século XI se afirmará como um período de reforma no interior da Igreja. Papas vindos de comunidades monásticas farão um grande esforço para moralizar o clero e separar o poder espiritual do poder temporal. O papa Gregório VII será o grande protagonista desta reforma. Em breve, veremos como!