23 de maio de 2008

Garoto Gorfadinha em: vacina marvada


Recém moradora de rua - Mataram a Jucleide!!! Os agente do seu Osvardo mataram a Jucleide!!!
Garoto Gorfadinha - O que aconteceu, minha senhora?
Recém moradora de rua - Mataram a Jucleide!!! Aquela vacina marvada do seu Osvardo matou a coitada da Jucleide!!! Esses desgraçados!!! Primeiro, tiraram nossa casa e agora tão tirando a nossa vida!!!
Garoto Gorfadinha - Que isso senhora! Vacina não mata ninguém não!
Recém moradora de rua - Mata sim! A Jucleide tomou a vacina e morreu moço! Essa gente do governo quer matar todos os pobres da cidade! Como num fica bem dar tiro na gente, eles inventaram essa vacina mardita pra matar pobre. Isso é coisa do seu Pereira e do seu Alves. Tá todo mundo revoltado! Hoje mesmo vai ter quebradeira!!!
Garoto Gorfadinha - Mas a vacina nada mais é do que um vírus enfraquecido da doença. Aí o corpo fica fortalecido e não pega o vírus de verdade!!!
Recém moradora de rua - Olha moço, disso eu não entendo não... Eu só sei que não é certo ficar colocando coisa de vaca dentro de nóis. Gente é gente, bicho é bicho. Hoje mesmo vacinaram minha filha à força. Ela tá esperando nenê moço. Se a coitada não morrer como a Jucleide a criança vai nascer com cara de bezerro!!! É isso que o povo tá dizendo!!!
Garoto Gorfadinha - A senhora sabe como é, né? O povo diz muitas coisas... Mas isso de quebradeira não é bom não! Muita gente pode se ferir ou morrer! Eu vou falar com o senhor Pereira Passos, pode deixar.
...
Senhor prefeito! Algo muito sério está prestes a acontecer! Se o senhor não agir imediatamente o Rio de Janeiro vai explodir em revolta!!!
Pereira Passos - Que isso rapaz. Há meses falam de uma tal revolta... Aqui é a Capital Federal! Aqui impera a "Ordem e o Progresso"! Aliás, de progresso eu entendo. Você viu como estamos modernizando o Rio de Janeiro? Em breve o Rio será a Paris Tropical! E sem falsa modéstia, eu me orgulho muito em ser responsável por tamanha façanha!!!
Garoto Gorfadinha - Mas seu prefeito, o povo não está gostando nada nada de tudo isso que o senhor anda fazendo; demolindo as casas das pessoas e vacinando todo mundo com violência e brutalidade, qualquer um se revolta mesmo!!!
Pereira Passos - O povo é ignorante... é incapaz de perceber os benefícios que a República pode oferecer! Eu não apenas estou modernizando e embelezando a cidade, rapaz. A exemplo de Haussmann, estamos saneando todo o espaço urbano. Isso é bom para o povo, além de melhorar a imagem da cidade no âmbito internacional. Os estrangeiros temem passar pelo Rio devido a quantidade de doenças contagiosas letais que temos por aqui. Mas o senhor Oswaldo Cruz, o maior sanitarista brasileiro, está resolvendo este grave problema. Ele tem competência e liberdade de atuação. Criticam a vacinação obrigatória contra a varíola? Pois eu lhe digo que são críticas descabidas. Facultativamente ninguém se vacina meu jovem. Estamos diante de um grave caso de saúde pública. E por isso, as medidas devem ser drásticas!
Garoto Gorfadinha - Mas por que o senhor não construiu novas moradias antes de demolir as casas das pessoas?
Pereira Passos - Nós não tiramos a casa de ninguém! Esses inúmeros cortiços no centro da cidade são ocupações irregulares! O povo nem deveria estar ali. Pois, então, arranjem um novo lugar para viver. Não temos dinheiro para construir casas para todos os pobres desta cidade...
Garoto Gorfadinha - E por que o governo não esclareceu a população sobre os benefícios da vacinação ao invés de agir com violência?
Pereira Passos - Esclarecer? Ora rapaz... infelizmente aqui não é a Europa. De que adianta fazer panfletos e distribuir ao povo se todos são analfabetos? A ignorância nada sabe, somente reconhece a força de quem fala mais alto.
Funcionário - Senhor prefeito, senhor prefeito!!! A revolta estourou!!! Viraram bondes e estão quebrando toda a cidade. Há até barricadas!!! Garoto Gorfadinha - Senhor prefeito, o Rio de Janeiro está em guerra...

20 de maio de 2008

Segredos da 25 de março

Dar aula para o Ensino de Jovens e Adultos é apalpar a realidade social e as vicissitudes humanas. Um grande aprendizado.

Um dos meus alunos trabalha duro como camelô na 25 de março.

Ele falou de como é seu cotidiano, de como é correr do rapa, da relação entre os comerciantes e os camelôs e dos camelôs entre si.

Disse também algo que eu não esperava: os camelôs vendem mais caro que os lojistas. Qualquer produto que está na rua é mais caro do que aquele que está na loja. A explicação é simples: os camelôs compram seus produtos nas lojas da própria 25 de março e revendem.

Segredinhos da 25...

19 de maio de 2008

Professores de Serra...

- É Serra... alguma coisa...
- Serra Leoa?
- Não, é outro bicho... mas vou me lembrar. É que os professores deste lugar possuem um sonho comum.
- Qual é?
- Todos sonham em se exonerar! Os que podem e conseguem saem pulando de alegria quando vêem o nome no D.O. Dão um grito, um tchau coletivo e saem correndo da escola como loucos deixando para traz todos os objetos da infelicidade dentro daquele armário enferrujado... Jamais voltam, nem passam pela rua. Tornam-se livres...
- Nossa! Que lugar é esse?
- Serra Macaco, Serra Girafa... Não, não... é nome de pássaro.
- Serra Papagaio?
- Não... mas vou me lembrar. Esses professores ganham pouco e por isso trabalham em várias escolas... mal conhece o nome dos alunos... Eles não têm tempo, dinheiro e nem tranqüilidade para investir na sua formação ou no preparo das aulas. Geralmente, não possuem material diversificado e atualizado para trabalhar. E quando aparece alguma coisa na escola ou é escasso ou nem é analisado pelo professor que vive correndo de um lado para o outro.
- Não é possível! Esse lugar não existe!!!
- Existe sim! É Serra... Tico-Tico, Sabiá...
- Urubu?
- Não... mas vou me lembrar. Todos os dias eles são desrespeitados. Sofrem violência moral e violência física por parte dos alunos. Então, nestas condições, ou deixam de lutar e se acomodam (pra não morrer ou pra não ficar louco) ou então, deixam de ser professores (se ainda possuem o mínimo de dignidade e de amor próprio) e vão fazer outra coisa na vida (os que podem, evidentemente).
- E assim realizam o sonho da exoneração?
- Sim! Mas esse é um número seleto de privilegiados... A maioria permanece! Estes, (na melhor das hipóteses) ficam sem ânimo trabalhando no limite físico e emocional, contando quantos dias faltam para o próximo feriado. (Na pior das hipóteses) os que permanecem nestas condições são afastados com problemas de saúde, são readaptados, ficam realmente doentes, estressados, com diagnóstico de depressão e de síndrome do pânico. Não podem ver alunos que começam a tremer, coitados...
- Nossa! Dar aula adoece?
- E como... Ah! Lembrei!!! O nome desse lugar é SERRA TUCANO!!! Fica bem próximo... É quase alí...

18 de maio de 2008

Ô desespero

Elas ficam ali no canto
Eu passo e sigo
Que desespero me dá esse monte de provas e diários...
Sempre ficam maiores!
Quanto mais corrige, mais cresce...
Se alimentam de canetas, de ar, de sangue.
É apavorante...
Olha aí! Tirando um barato da minha cara?!?!
"Não adianta fugir não..."
Fim de bimestre: que pesadelo.

12 de maio de 2008

Quadrados e triângulos por toda a parte

Agora o Francesco está de encontrar "cadados" e "angus" em todos os lugares: na TV, no encosto da cadeira, andando pela rua, nos objetos da casa... Essas crianças dão cada susto na gente! "Você é muito novo para estas coisas menino!"

9 de maio de 2008

Canudos e as favelas

O termo favela, da forma como nós conhecemos hoje, surgiu após a Guerra de Canudos. Os soldados cariocas que voltaram da 4a expedição que pôs fim à guerra foram responsáveis pela consolidação do termo. Favela é o nome de uma planta típica do sertão. Os militares apelidaram o morro que rodeava Canudos de "morro da favela". Ao voltarem para a capital, chamaram de favela a aglomeração de barracos que brotavam nos morros cariocas (como a planta em Canudos) por conta da reforma urbana feita por Pereira Passos. A demolição dos cortiços na região central do Rio de Janeiro expulsou a população que teve de ocupar os morros da cidade.

2 de maio de 2008

Acabaram as promoções

Certa vez comentei isso de mandar mensagem de texto (SMS) para participar de promoções e sorteios. Vejam lá!
Eu sou do tempo em que a promoções eram feitas para aumentar a venda do produto.
Hoje elas são feitas para ganhar dinheiro só com elas e nada mais...
Antes, era tão legal juntar tampinhas, selos, embalagens... e depois, era só trocar pelo prêmio ou enviar uma carta para aquela caixa postal e ficar torcendo no dia do sorteio.
Agora, além de não enviar carta pra lugar nenhum (só SMS), tem de juntar sei lá o que anexando um dinheirinho para "trocar" pelo prêmio?!?!? Até o prêmio eles vendem!!! Pode???